Yasmim Girardi


Os próximos dias serão marcados pelas confraternizações de final de ano. Por conta da pandemia do novo coronavírus, as festas de Natal e Ano Novo deverão ser diferentes e seguir algumas dicas para serem consideradas seguras. Segundo o médico infectologista do Hospital Moinhos de Vento, Paulo Ernesto Gewehr Filho, o ideal seria que as confraternizações presenciais acontecessem somente entre aqueles que moram na mesma casa, para evitar aglomerações com diferentes grupos de pessoas. Se isso não for possível, há uma série de cuidados que devem ser tomados. O principal é garantir que todos usem máscara o tempo inteiro.
"É importante que as pessoas evitem falar quando não estiverem usando máscara, como, por exemplo, na hora da refeição", complementa. O especialista ressalta que não é indicado que pessoas fora do núcleo familiar da casa se reúnam. Mas, caso seja inevitável, Gewehr Filho sugere que os idosos e aqueles parentes que estiveram em alguma aglomeração nos últimos dias não participem da confraternização.
O especialista sugere que as pessoas que moram na mesma residência fiquem juntas em uma parte da casa, fazendo com que os diferentes grupos familiares mantenham uma distância segura. "O ideal seria que a refeição fosse ao ar livre e que cada grupo familiar ficasse em uma mesa, ao invés de todos dividirem a mesma mesa."
Na hora do preparo dos alimentos, Gewehr Filho diz que não é necessário nenhum cuidado especial além do uso da máscara. Ele recomenda, porém, que seja criado um esquema de buffet para servir as pessoas. "Assim, apenas uma pessoa fica responsável por servir as porções de comida para os convidados", explica. Também é importante que não tenha aperitivos coletivos, daqueles que todos colocam as mãos.
O preferível é que a confraternização aconteça ao ar livre. Mas, caso seja impossível, é importante prestar atenção na ventilação do ambiente. As portas e janelas devem se manter sempre abertas. Filho também dá a ideia de ligar ventiladores orientados para fora da casa e não para as pessoas. "Assim, o ventilador vai puxar o ar de dentro do ambiente e jogar para fora. Ar condicionados do tipo split não são recomendados porque só recirculam o ar e, se houver alguém contaminado, facilitam a disseminação do vírus no ambiente", acrescenta.
Na hora da troca de presentes, deve-se evitar abraços e contato físico. "Esse é um momento em que pode acontecer de toda a família se reunir em um só ambiente, então tem que ter atenção redobrada. O ideal é manter as pessoas espalhadas, ao ar livre." Também é aconselhável higienizar as mãos após trocar os presentes.
Além disso, o infectologista também aconselha às famílias que viajam nesse período que só dividam o carro com quem já mora na mesma casa, deixando a carona para outro momento. Deve-se evitar viagens que possam proporcionar aglomerações, como de ônibus ou avião. "Pessoas que vêm de áreas onde a circulação do vírus está alta têm uma chance maior de trazer o vírus. Então, essas pessoas deveriam pensar melhor se se sentem bem de viajar podendo levar o vírus para outro lugar. Da mesma forma, a pessoa que vai viajar para uma área onde tem uma circulação maior do vírus tem mais chances de se contaminar."
Sete dicas para evitar o contágio pela Covid-19 nas festas de Natal e Ano Novo
  1. Se reúna no máximo com um outro grupo familiar que você conhece e que esteja tomando as medidas de precaução;
  1. Se estiver com pessoas que não morem com você, não tire a máscara;
  1. Mesmo de máscara, mantenha uma distância segura dos outros convidados e higienize as mãos constantemente;
  1. Evitar falar na hora da ceia;
  1. Mantenha o ambiente bem ventilado;
  1. Pessoas idosas não devem participar das reuniões presenciais. Assim como pessoas com doenças crônicas, cardíacas, diabéticas ou obesas;
  1. Na hora da troca de presentes, evite abraços.
Fonte: Serviço de infectologia do Hospital Moinhos de Vento

Deixe seu Comentário